UMA LEITURA ESPÍRITA DO DIÁLOGO “ÍON” DE PLATÃO

Captura de tela de 2014-08-29 18:35:31RESUMO
Este trabalho tem como objetivo principal retomar a tese kardequiana de que Sócrates e Platão foram precursores da ideia cristã e do Espiritismo. Para tanto, examina-se o diálogo Íon de Platão, fazendo paralelos com o pensamento Espírita, com destaque para o fenômeno mediúnico presente na inspiração poética. Platão, nesse diálogo, usa dois personagens, Sócrates e Íon, este segundo um rapsodo, para discutir se a criação poética é arte (ou ciência) ou inspiração divina. Porém, a fim de não incorrer num pensamento ingênuo de se atribuir categorias inexistentes em Sócrates e em Platão, procura-se mostrar antes, baseando-se em textos platônicos e em opiniões de reconhecidos especialistas que:

(i) a alma, para Sócrates e Platão, é individual e sobrevive ao corpo;

(ii) os encarnados podem pôr-se em comunicação com os Espíritos através de sonhos, do êxtase e de oráculos, através de médiuns;

(iii) o próprio Sócrates era um médium.

Assim, adotou-se a linha de raciocínio de Allan Kardec, segundo a qual não tem sentido falar de mediunidade sem antes provar que a alma existe e é que imortal.

Comunicação oral apresentada no 10º ENCONTRO NACIONAL DA LIGA DE PESQUISADORES DO ESPIRITISMO, tendo como Tema Central: “Pesquisa Espírita: Passado, Presente e Futuro”, realizado de 30 e 31 de agosto de 2014, em São Paulo-SP.

Baixe aqui o trabalho completo e aqui a apresentação no formato pdf utilizada durante a comunicação.

Eis a apresentação na forma de vídeo no Youtube:

Os anais do evento foram publicados com o título de “O Espiritismo, as Ciências e a Filosofia”.

Série: Pesquisas Brasileiras sobre o Espiritismo.

Série: Pesquisas Brasileiras sobre o Espiritismo.

REFERÊNCIAS

ABBAGNANO, N. Dicionário de filosofia. Tradução de Alfredo Bosi e Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

BAILLY, A. Abrégé du dictionnaire Grec-Français. Hachette, 1969.

BURKERT, W. Greek religion: archaic and classical. Blackwell, 1985.

DODDS, E. R. Os gregos e o irracional. Tradução de Paulo Domenech Oneto. São Paulo: Escuta, 2002.

DUHOT, J.-J. Sócrates ou o despertar da consciência. Tradução de Paulo Menezes. São Paulo: Loyola, 2004.

EMMANUEL. A caminho da luz. Psicografia de Francisco Cândido Xavier. 16ª ed. Brasília: FEB, 1989.

HADOT, P. O que é a filosofia antiga? Tradução de Dion Davi Macedo. São Paulo: Loyola, 1999.

KARDEC, A. O Livro dos espíritos. Tradução de Guillon Ribeiro. 67ª ed. Brasília: FEB, 1987a.

______. O Livro dos médiuns. Tradução de Guillon Ribeiro. 55ª ed. Brasília: FEB, 1987b.

______. Obras póstumas. Tradução de Guillon Ribeiro. 22ª ed. Brasília: FEB, 1987c.

______. O Evangelho segundo o Espiritismo. Tradução de Guillon Ribeiro. 98ª ed. Brasília: FEB, 1988a.

______. A gênese, os milagres e as predições segundo o Espiritismo. Tradução de Guillon Ribeiro. 31ª ed. Brasília: FEB, 1988b.

PLATÃO. O Banquete. In: Diálogos/Platão. Tradução e notas de José Cavalcanti de Souza. 3ª ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983a. (Os Pensadores)

______. Fédon. In: Diálogos/Platão. Tradução e notas de Jorge Paleikat e João Cruz Souza. 3ª ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983b. (Os Pensadores)

______. Apologia de Sócrates. In: Diálogos/Platão. São Paulo: Nova Cultural, 1996. (Os Pensadores)

______. Íon. Introdução, tradução e notas de Victor Jabouille. Lisboa: Editorial Inquérito, 1988.

______. Íon. Tradução de Henrique Graciano Murachco. In: Rev. Educ. e Filos. Uberlândia, 5 e 6, 1991.

REIS, M. D. Um olhar sobre a psykhé: o logistikón como condição para a ação justa nos livros IV e IX da República de Platão. 2000. 217 p. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, 2000.

REALE, G. e ANTISERI, D. História da Filosofia – Antiguidade e Idade Média. Vol. 1. Tradução de Marcelo Perine. São Paulo: Paulus, 2002.

WANTUIL, Z e THIESEN, F. Allan Kardec. 3 v. Rio de Janeiro: FEB, 1982.

WANTUIL, Z. As mesas girantes e o Espiritismo. Rio de Janeiro: FEB, 1978.

VERNANT, J.-P. Mito e religião na Grécia antiga. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

Sobre Adilson J. de Assis

Professor e pesquisador na Faculdade de Engenharia Química, Universidade Federal de Uberlândia. Interesses: História da Ciência e da Tecnologia; Filosofia da Ciência e da Tecnologia; Ciência e espiritualidade; Novas metodologias no ensino de engenharia.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s